A metamorfose de Rebeca

A garota transexual que saiu das estatísticas e conquistou seus sonhos com muita garra

#PERFIL

Por Giulia Boiko

Transexuais são indivíduos que se identificam socialmente e psicologicamente com o gênero oposto ao apresentado desde a infância, em discordância com sua anatomia. Estes indivíduos fazem parte da comunidade LGBT e são a parte que mais sofre preconceitos conectados com a transfobia e diversas outras formas de agressões. Muitos jovens transexuais ao assumirem sua identidade em casa são expulsos, agredidos e muitas vezes mortos e esta é a realidade de muitos jovens no Brasil, o país que mais mata travestis e transexuais. A história de Rebeca Dias, uma garota trans de menos de 20 anos,  poderia ser um destes casos, mas a garota que já passou por problemas sociais e familiares por conta de sua identidade, conseguiu superar todas suas dificuldades com muita perseverança e uma personalidade fortíssima.

Rebeca Dias (19), nascida no interior de São Paulo, no Vale do Ribeira, assumiu-se transexual aos 14 anos. Criada por seus pais em uma cidade pequena, junto de suas irmãs mais novas, antes de se assumir publicamente conversou primeiro com seus amigos e posteriormente com sua mãe. Ao se assumir transexual, a  jovem, não obteve apoio imediato de seus familiares e este foi um dos períodos mais turbulentos de sua vida. Rebeca teve problemas, após sua mãe contar para a família, principalmente, com seus tios que não aceitavam o fato de ter uma sobrinha transexual, mas, atualmente, acredita que eles não precisavam ter aceitado.

Sem o apoio de seus pais, que odiavam o fato de ter uma filha transexual, ao completar 16 anos, Rebeca começou a usar roupas femininas e iniciou seu tratamento hormonal. Mesmo com a falta de apoio e os efeitos colaterais dos medicamentos Rebeca nunca pensou em parar seu tratamento. Somente dois anos depois, ao passar no vestibular e mudar de cidade, a garota começou a ter apoio de sua família, que hoje tem orgulho da filha. Enquanto estava no ensino fundamental e no médio, Rebeca não tinha seu nome reconhecido. Foi proibida de usar banheiros femininos e se sentia desconfortável ao ser chamada no masculino. A estudante sofreu Bullying em sua escola, tanto por professores como por colegas de classe e isto a fazia não gostar de estudar. Continuar lendo

Djalma: para além dos lanches

Conheça o dono do x-coxinha e da maionese mais comentados da UTFPR

#PERFIL

Por Luísa Sampaio

Curitibano de 59 anos, Djalma Telles de Menezes Filho é dono de uma das lanchonetes mais frequentadas pelos alunos da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR). O Djalma Lanches, criado em 1992 e localizado na Av. Sete de Setembro, é conhecido principalmente por sua maionese e o x-coxinha.

Djalma, a primeira vista aparenta ser uma pessoa séria, mas com o tempo esbanja simpatia e  gosto por conversar com seus clientes.  Antes de abrir o estabelecimento, trabalhou durante 10 anos no Banco do Estado do Paraná (BANESTADO) e em outra lanchonete do centro de Curitiba. Quando ficou desempregado e começou a passar por dificuldades, surgiu a ideia do Djalma Lanches, que desde o início foi apoiada por sua família. Sua maior dificuldade em ter um estabelecimento comercial foi a necessidade de saber administrar as finanças de um negócio próprio e  sua timidez, que diminuiu à medida que desenvolveu a habilidade de conversar com seus clientes. 

Com uma localização estratégica e um preço acessível aos universitários e moradores da região, a lanchonete tornou-se uma ótima opção de alimentação. Djalma não se preocupa com a concorrência ao lado e nem com propagandas, e acredita na importância da indicação daqueles que frequentam sua lanchonete, o chamado marketing “boca a boca”.

Seu sanduíche mais famoso, o x-coxinha, surgiu quando um aluno da UTFPR pediu à Djalma que colocasse um salgado dentro de um sanduíche, outras pessoas que estavam no momento aprovaram a combinação e também fizeram o pedido. E qual o segredo da maionese? Muitos clientes já fizeram essa pergunta ao dono da lanchonete. Seus ingredientes incluem azeite, ovo, sal e vinagre, mas a diferença se faz na consistência final.  Continuar lendo

Prêmio reconhecerá mulheres que se destacam e inovam nos negócios

Por Letícia Cordeiro

O Prêmio Empreendedora Curitibana 2017 está com inscrições abertas até o dia 15 de junho. O concurso busca valorizar e reconhecer mulheres empreendedoras, além de motivar negócios liderados por elas. A iniciativa promovida pelo município de Curitiba, por meio da Agência Curitiba de Desenvolvimento – uma organização de economia mista -, contempla três categorias de participação: Micro e pequenas empresas (MPE), Microempreendedora individual (MEI) e Ideia Empreendedora (uma ideia de negócio que precise de estímulo para ser colocada em prática).

Para o processo de avaliação e julgamento, serão avaliados quesitos como: inovação e adaptação às novas tendências, visão de futuro e responsabilidade socioambiental. Uma visita técnica também será realizada e decisiva para vencer. A comissão técnica que irá eleger as campeãs será composta por cinco integrantes (da Agência Curitiba e entidades parceiras). Segundo a personal stylist e consultora de imagem, Adriane Marques, o prêmio representa um marco ao promover incentivo e motivação às mulheres para que, cada vez mais, elas tenham destaque e oportunidade de serem ouvidas e fazerem parte da história no cenário municipal.

adriane

Adriane Marques é uma das incentivadoras do Prêmio Empreendedora Curitibana (Foto: Arquivo pessoal)

Continuar lendo

Mais amor aos felinos!

TEXTO DE OPINIÃO

Isabelly Martins (*)

Os que não possuem animal de estimação, em sua maioria tem uma visão um tanto distorcida do felino doméstico. Desde criança tive gatos, meus pais também têm um apreço por animais de estimação e por experiência própria digo: eles são maravilhosos companheiros! Sim, têm seus momentos de “quero ficar na minha”, mas estão sempre ao seu lado, pedindo ou procurando carinho. Cada um com sua personalidade, um gosta mais de colo, outro é mais brincalhão, outro, por incrível que pareça, só gosta de presunto quando o assunto é carne. São mais independentes e é difícil delimitar o espaço que eles podem ocupar, por terem necessidades de escalar, brincar, caçar, e em sua maioria dormir em lugares realmente estranhos que aos nossos olhos não são os mais confortáveis.

Continuar lendo

A solidariedade entre gurias da UTFPR

TEXTO DE OPINIÃO

Itana Sued (*)

Neste ano vimos como algumas estudantes tiveram uma ideia cheia de solidariedade: colocar uma caixinha com absorventes nos banheiros femininos de suas universidades. Várias meninas de universidades do Brasil adotaram esse “mimo” e na Universidade Tecnológica do Paraná (UTFPR), Câmpus Centro não foi diferente. As gurias colocaram em alguns banheiros, caixinhas contendo absorventes para aquelas que precisam no momento desesperador, que só nós, mulheres, sabemos o que é isso.

A caixinha da UTFPR diz: “Você pode precisar e pode ajudar alguém que precisa!”

caixinha                   Caixinha de absorventes no banheiro do Bloco Q da UTFPR – Foto: Itana Sued

Continuar lendo

O consumismo exacerbado da Black Friday

 

TEXTO DE OPINIÃO

Julia Folmann (*)

A Black Friday é a sexta-feira de promoções e preços baixos que vem logo após o dia de Ação de Graças, comemorado na quarta quinta-feira do mês de novembro, nos Estados Unidos. Basicamente, nesta data, a pessoa tem por obrigação ser grata por tudo o que possui e, ironicamente, no dia seguinte sai para comprar mais um monte de coisas que ela realmente não precisa – essa é a tal da Black Friday.

Só que não é simplesmente “comprar”. Isso todos fazemos. É natural. Todos compramos – até porque a data já foi importada para outros países, como o Brasil. A questão é que ela é uma materialização de todos os problemas que o consumismo exacerbado pode causar – físicos, psicológicos e econômicos.

Continuar lendo

Viajar é preciso

TEXTO DE OPINIÃO

Tariana Zacariotti(*)

viajarFoto: Tariana Zacariotti

As pessoas estão muito preocupadas com seus afazeres, correrias para lá e para cá, dias inteiros presas em escritórios; papéis e mais papéis; textos e mais textos, uma preocupação seguida de outra. O estresse vai tomando conta a cada instante, consumindo a saúde mental da maioria dos que ficam em função exclusivamente de suas atividades de trabalho, e se esquecem de aproveitar a vida, dar espaço para o lazer e a arte.

O mundo possui mais de 190 países, divididos em sete continentes, e tem sido cada vez mais fácil ir explorar esses tantos lugares que existem em nossa Terra, basta se organizar e partir. Acredito que muitas pessoas não colocam viagens como suas prioridades, por acharem que é algo que gasta muito dinheiro e tempo, mas na visão da maioria dos viajantes, nada disso existe.

Continuar lendo

Não ao comércio de seres vivos

TEXTO OPINATIVO

Tariana Zacariotti (*)

Não é difícil encontrarmos nos dias de hoje pessoas dispostas a ter bichinhos de estimação. Tem se tornado cada vez mais frequente a inclusão de animais nas famílias, e também naquelas casas em que os donos moram sozinhos e procuram algum companheiro para dividir seus momentos. O difícil têm sido encontrar pessoas que queiram adotar esses companheiros, e cuidar com amor, ao invés de comprá-los.

cao Foto: Tariana Zacariotti

Continuar lendo

Felicidade artificial

TEXTO DE OPINIÃO

Gabriel Abreu (*)

Acordei, visitei minhas redes sociais. Vi quantos likes ganhei em uma postagem, quantas notificações recebi enquanto dormia. Tomei café da manhã respondendo todas as pessoas no meu chat, me senti importante ao receber um “bom dia” de um amigo antigo que não via há muito tempo. Há menos de um ano, cedi às redes sociais. Era parte de pressão social e medo de não ser reconhecido. Fui levando as curtidas a sério, cada “amei” era um toque no meu coração, cada seguidor novo era um amigo. Me perguntava quantos likes precisava pra ser alguém.

Continuar lendo

Dia de Finados movimenta cemitérios

Jessica Maranho (*)

No dia 2 de novembro é celebrado o Dia de Finados, data importante no calendário cristão católico. Esta data tem por objetivo relembrar e rezar pelos entes queridos que já faleceram.  Na Idade média este dia era conhecido como Dia de Todas as Almas e no dia anterior (1º de novembro) era, e ainda é, celebrado o Dia de Todos os Santos.

No Cemitério São Pedro (foto), localizado no Umbará, bairro tradicional de italianos de Curitiba, o Dia de Finados contou com a tradicional missa realizada às 10 da manhã. Milhares de pessoas estiveram presentes para celebrar este dia e reverenciar os ausentes. As 16 horas foi realizado o já tradicional terço recitado pelos diáconos.

Continuar lendo