“Hoje estou aí, faceiro e feliz”

Camila Cassins (*)

 

1397106_10202106160124213_651162144_o

 

Quem fala com Edelson Werlish, um comunicador nato, não imagina que a aspiração dele já foi a caserna. Oriundo do Colégio Militar de Curitiba (CMC), Edelson estava estudando para fazer a prova da Escola Preparatória de Cadetes do Exército (EsPCEx), porta de entrada à carreira de oficial do Exército Brasileiro – é pra quem quer ser militar mesmo, para a vida.

Foi no cursinho que ele recebeu a visita do professor Juarez Poletto, hoje aposentado. O professor foi falar sobre o curso de Licenciatura em Letras, recém-criado na UTFPR, e mencionou o CTCOM, o que foi suficiente para chamar a atenção do vestibulando: “Obrigado, Poletto!”, agradece.

Assim, Werlish caiu de paraquedas no Curso de Tecnologia em Comunicação Institucional, no 2º semestre de 2008. “Comecei a frequentar as aulas, fui curtindo e o desejo de seguir na carreira militar passou. O resto é história”, explica. Ele se apaixonou pela comunicação e pelo curso: “O CTCOM se tornou bem mais do que uma faculdade. Ele trouxe muitos dos meus melhores amigos, grandes professores e uma experiência de vida gigantesca”.

Em cinco anos no curso, ele fez de tudo. Estagiou, participou de um grupo de estudos, participou e foi presidente do Centro Acadêmico, coordenou eventos e por aí vai. “Ganhei um oscarito no meu ano de Sentidos da Comunicação e fui reprovado na matéria (sou o único aluno da história do curso com tal proeza). Pedi para reprovar numa matéria, mesmo com a professora querendo me passar (sim, fui eu quem fez isso); Fiz um livro; Fiz um jornal; Fiz alguns curtas; Fiz algumas fotografias; Fiz alguns trabalhos e apresentações memoráveis; Fiz arte”, relembra, e não se arrepende de nada.

Além da dedicação na parte acadêmica, ainda tem a parte profissional. Werlish estagiou por um ano na UTFPR, trabalhou com a parte de videogames do site Baixaki e com projetos de Cidades Digitais, “todos assuntos totalmente diferentes, mas, unidos pela diversidade que a área de comunicação proporciona”. Foi nessa diversidade que ele acabou descobrindo em quê queria trabalhar, assessoria de imprensa:

“Se me perguntassem no começo do curso o que iria fazer quando me formasse, assessoria de imprensa seria a última coisa que falaria. Durante todo o curso praticamente, sempre foquei na parte da publicidade e propaganda, design e editoração gráfica e visual. Porém, logo pro final, comecei a trabalhar com textos e peguei gosto pela coisa. Achei na área de jornalismo o que gostaria de fazer e hoje estou aí, faceiro e feliz”.

O ex-aluno ressalta, por fim, a orientação da professora Maurini em seu crescimento como aluno e ser humano, “não apenas da área da comunicação, mas do setor político, agrário, filosófico e tantos outros. Acredito que o maior diferencial do curso seja esse: toda essa carga teórica e humana que temos nas disciplinas e nos faz sermos pessoas melhores, e não apenas futuros gerentes de comunicação”.

 

Esse perfil faz parte da série de miniperfis em homenagem aos 10 anos do Curso de Tecnologia em Comunicação Institucional (CTCOM). Confira outros perfis já publicados:

Luciano Sasaki

Simone Martinhak

Aldebaran Campos

Greicieli Machado

 

(*) Aluna do CTCOM-UTFPR.

Anúncios

Um comentário sobre ““Hoje estou aí, faceiro e feliz”

  1. Pingback: Comunicação Institucional, sim! | AG Comunique

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s